Em oito dias, 3 tragédias aéreas mataram 462

Home » Uncategorized » Em oito dias, 3 tragédias aéreas mataram 462

25/07/2014 09:07 - Atualizado em 25/07/2014 09:07

Com 462 pessoas mortas em três catástrofes nos últimos oito dias e mais de 700 vítimas nos sete primeiros meses, 2014 está sendo um ano negro para o transporte aéreo civil no mundo, após um 2013 marcado por recordes em matéria de segurança aérea.

Relação dos principais incidentes aéreos civis em 2014:

8 de março: o mistério do voo MH370
Em um dos maiores mistérios da aviação civil, um Boeing 777 que fazia o voo MH370 da Malaysia Airlines entre Kuala Lumpur e Pequim com 12 tripulantes e 227 passageiros, incluindo 153 chineses, desapareceu dos radares 50 minutos após a decolagem.

A investigação estabeleceu que o avião se desviou da rota para oeste quando estava entre a Malásia e o Vietnã, sobrevoou a Malásia em direção ao estreito de Malaca e depois o Oceano Índico, onde intensas buscas não encontraram o aparelho.

17 de julho: a maldição da Malaysia Airlines
Outro Boeing 777 da Malaysia Airlines caiu na região de Donetsk, no leste da Ucrânia, região devastada por três meses de conflito armado entre o governo em Kiev e os rebeldes pró-Rússia.

A bordo do avião estavam 298 pessoas, incluindo 193 holandeses, e todos morreram. O voo MH17 fazia a rota entre Amsterdã e Kuala Lumpur e segundo os Estados Unidos, foi derrubado por um míssil terra-ar disparado da zona sob o controle dos rebeldes. O avião caiu próximo à localidade de Grabove, não distante da fronteira russa.

A investigação internacional é dirigida pela OVV, a agência holandesa para a segurança aérea. As caixas-pretas do avião estão sendo analisadas no AAIB, o bureau britânico de investigação de acidentes aéreos, em Farnoborough, sudoeste de Londres.

23 de julho: acidente em pleno tufão de Taiwan
Um avião ATR 72-500 da companhia taiuanesa TransAsia Airways caiu devido ao mau tempo na ilha de Penghu, na altura da costa ocidental de Taiwan, matando 48 pessoas. Outras dez sobrevivem.

O voo GE222 decolou da cidade de Kaohsiung (sudoeste) e se dirigia às ilhas da costa oeste com 54 passageiros e quatro tripulantes. O avião caiu sobre várias casas nas proximidades do aeroporto de Magong após arremeter, quando a região era atingida pelo tufão Matmo.

24 de julho: Drama no Sahel
Um avião da Air Algérie que partiu de Ugadugú rumo a Argel com 116 pessoas a bordo, entre elas 50 franceses e uma tripulação espanhola de seis membros, caiu no norte do Mali.

O aparelho, fretado pela companhia espanhola Swiftair, foi localizado “desintegrado” na região de Gossi, no norte do Mali, próximo da fronteira com Burkina Faso.

O modelo, um MD-83 da americana McDonnell Douglas, é um dos aviões mais vendidos da história da aviação civil.

Um controlador de voo no Mali confirmou “fortes tempestades” durante a noite na região, mas o governo francês não descarta qualquer hipótese sobre a causa da queda.

2013, o ano da segurança
Em matéria de segurança aérea civil, a série de incidentes nos primeiros sete meses de 2014 contrasta com o balanço de 2013, quando segundo a Agência Europeia de Segurança Aérea (AESA) houve um recorde de segurança, apesar dos mais de 3 bilhões de passageiros transportados.

Em 2013, 17 acidentes aéreos fizeram apenas 224 vítimas, o número mais baixo desde 2009 e muito inferior à média anual de 27 acidentes.



whatsapp_jornalismo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Scroll to top